Publicado em Sobre a Vida

Nada como um dia após o outro

81580b2e244b7f78ba9f3be62000ecd1

Esse post é dedicado a todas as pessoas ansiosas desse mundo, dentre as quais a maior de todas sou eu mesma.

De todos os defeitos que eu, uma pessoa absolutamente comum, possuo, acredito que o pior de todos é a ansiedade. Diria que, pelo menos no meu caso, a ansiedade é a mãe de todos os outros defeitos que uma pessoa pode ter. Eu bem que tentei ser menos drástica nessa afirmação, mas não consegui pensar em nenhuma vantagem de ser ansiosa. De fato, a ansiedade não traz nada de bom.

Eu sempre detestei esperar e sempre quis que as coisas acontecessem no meu tempo e é claro que isso não me trouxe boas experiências. Hoje eu vejo que a ansiedade fez de mim uma pessoa muito controladora e, ao mesmo tempo, sem auto-controle. Já tomei muita decisão precipitada, já adiantei situações na minha vida que só deveriam ter acontecido mais tarde e já chateei muita gente com o meu jeito impaciente de ser.

Recentemente resolvi me abster se certos ambientes e de certos tipos de gente que só tem me tornado uma pessoa ainda mais ansiosa, impulsiva e frequentemente imprudente. Estou de fato tentando passar mais tempo comigo mesma, tentando resgatar a minha essência e quem sabe assim encontrar o que eu procuro dentro de mim mesma.

Tenho lido muitas coisas e também escutado muitas músicas, pois essas duas coisas sempre me ajudam a encontrar muitas respostas. E, hoje, mais uma vez escutando Tiago Iorc, parei para refletir com mais intensidade na música “Um dia após o outro”. Só Deus sabe o quanto eu acho difícil esperar pelo dia seguinte, nem dormir bem eu consigo por causa disso… E ouvindo essa música hoje eu aprendi muitas coisas.

É preciso viver cada dia de uma vez, sem correr, sem ter pressa (especialmente quando ainda não sabemos bem aonde queremos chegar).  É preciso entender que tudo que acontece em nossas vidas tem o seu propósito: as quedas, as lágrimas, tudo no final nos servirá de ensinamento. E é preciso esperar… Esperar pelo novo, deixar o tempo dizer o que haverá de acontecer.

Este é para mim um grande desafio, mas hoje vejo que já consegui vencer muitas barreiras e superar coisas complicadíssimas. Nada é impossível. Sei que levando uma vida sem ansiedade levarei uma vida melhor, serei uma pessoa melhor e poderei mostrar ao mundo com muito mais frequência a melhor parte de mim.

E você, provável leitor ansioso, espere! A vida ainda reserva muitas surpresas para nós e nem adianta começar a pensar em que surpresas seriam essas porque nós não temos como saber… E ainda bem! Caso contrário não seriam surpresas e a vida seria algo extramente massante e previsível! Que possamos viver um dia após o outro… Viver o que há de melhor em cada um deles.

Publicado em Filmes e Séries, Sobre o Amor

“A gente aceita o amor que acha que merece”

YouDeserveBetter1-3890A frase que dá título à minha postagem de hoje faz parte do livro “As vantagens de ser invisível”.

Ao contrário do que pode parecer, eu não li esse livro, nem sequer cheguei a começar e por isso não sei exatamente em que contexto essa frase aparece no romance. O que de fato eu sei é que ela faz todo o sentido do mundo!

Eu me deparei com essa frase por acaso no facebook ano passado e ela mexeu muito comigo, tanto que ela ficou meses na minha cabeça até hoje quando resolvi procurar saber a quem ela pertence e logo em seguida escrever minhas impressões sobre ela.

De fato, cada um aceita o amor que acha que merece e isso pode representar algo bom ou ruim na sua vida, vai depender somente da sua autoestima.

Eu, que sou dona de uma autoestima instável, frequentemente caio na bobagem de achar que não mereço nada da vida. Assim sendo, tudo que chega às minhas mãos eu recebo com tanto entusiasmo e me apego tanto que vocês podem imaginar que na maior parte das vezes isso não acaba bem.

Se apegar demais, correr atrás de pessoas que não fazem questão de você, implorar por atenção, considerar o máximo na sua vida alguém que mal te considera como amigo são um pequeno exemplo da tragédia existencial que ocorre quando você não se ama o suficiente.

Por não se amar o suficiente você passa a acreditar que ninguém vai te amar também e com isso qualquer mínimo gesto de atenção ou coraçãozinho no bate-papo se torna motivo de enorme comoção. Digo comoção porque isto está longe de ser amor. Acreditamos que estamos amando aquela pessoa porque sentimentos uma possível chance de reciprocidade, então fazemos a nossa mente crer que estamos amando e sendo amados de volta… Pura ilusão!

Enquanto ficarmos achando que não somos bons o suficiente e não nos amarmos o suficiente vamos crer que qualquer “amor” para nós está bom. Ficaremos nos contentando com migalhas de atenção, migalhas de afeto, migalhas de tudo!

Por achar que não vai conseguir ninguém melhor (ou amor melhor) muitas pessoas ficam “presas” em relacionamentos desgastantes por meses e até anos. Pessoas que acham que aquilo é o máximo que podem conseguir…

Por outro lado, se nos amarmos, se formos capazes de enxergar nossas qualidades e nosso valor, não ficaremos sujeitos a situações humilhantes em nenhum tipo de relacionamento. Seremos capazes de compreender que o amor que merecemos tem que ser um amor mesmo e não qualquer palavrinha doce. Veremos que o amor que merecemos é o mesmo que estamos dispostos a dar, é aquele que lá no fundo temos guardado a vida toda para alguém que também o mereça de fato.

Publicado em Sobre Escrever

Spend More Time Writing

maxresdefaultGente, eu sei que eu sumi! rsrs

Fiquei sem postar nada por mais de duas semanas e eu mesma senti muita falta disso!

Felizmente, voltar a postar foi uma das coisas boas que esse feriadão vindo em tão boa hora me proporcionou!

Hoje, logo que acordei, senti uma vontade imensa de ouvir “Story of a man” , do Tiago Iorc e foi o que eu fiz! E dessa vez essa música falou comigo de uma forma muito especial. Fiquei cantarolando o dia todo, fiquei com ela na cabeça o dia todo!

Fiquei pensando em como eu de fato tenho gastado o meu tempo com coisas sem valor nesses últimos dias… Tenho gastado tempo demais fazendo projeções e idealizações para o futuro e me preocupando demais com o que os outros pensam de mim. Tenho gastado muitas horas tentando ter controle sobre o tempo, tentando domar o destino.

Esse tempo que eu já gastei não vai voltar, mas eu ainda posso fazer diferente a partir de hoje! Eu posso gastar o meu tempo com o agora! Eu posso e devo gastar o meu tempo com as coisas que me fazem feliz e que, principalmente, me fazem ser quem eu sou de verdade!

E é por isso que eu decidi gastar mais tempo escrevendo! Não só nos meus diários como eu já faço há anos, mas também aqui no blog porque vi que bastante gente gostou do que já escrevi até agora… E, afinal, de que servem belas palavras se elas ficam trancafiadas dentro de cadernos que ninguém nunca vai ler?! As palavras existem para aproximar as pessoas e é nisso que eu quero gastar o meu tempo daqui para frente! Quero ser uma construtora de pontes!

O meu grande amigo Igor sempre me diz que não posso ficar me preocupando tanto e que eu tenho que deixar as coisas acontecerem porque tudo que tiver de acontecer na minha vida vai acontecer no tempo certo, e que ficar querendo antecipar as coisas, além de não adiantar nada, só serve para trazer sofrimento.

Ele está certo.

E hoje, além de ter escutado muito essa música do Tiago Iorc, também estive ouvindo uma linda música do meu amigo Ian, chamada “Fotografia” que fala justamente sobre aceitar as coisas que já passaram e esperar pelas próximas experiências que a vida irá nos trazer : ‘Deixa ser como será e o destino se encarregará.’

E tentando sintetizar isso tudo na minha cabeça eu conclui que realmente a melhor coisa que eu tenho a fazer é gastar mais tempo escrevendo!

Pois quando eu escrevo eu me sinto mais leve, mais inspirada e mais tranquila. E isso de escrever para leitores é de fato incrível! Por isso espero continuar escrevendo textos que proporcionem às pessoas a mesma sensação de felicidade e aprendizado que eu sinto quando escrevo.