Sobre Música, Sobre o Amor

Top 5 BR – Músicas para término de relacionamentos amorosos (Só nacionais)

Já fazia um tempinho que eu não preparava uma playlist com um tema específico (na verdade fazia um tempinho inclusive que eu já nem escrevia no blog – shame on me). Mas nessa linda noite de quinta-feira eu resolvi trazer pra vocês uma listinha com as minhas 5 músicas nacionais preferidas sobre o tema “término de relacionamentos amorosos”. Me julguem por não ter colocado a clássica “não era amor, era cilada”, mas espero que gostem da minha seleção.

Continue lendo “Top 5 BR – Músicas para término de relacionamentos amorosos (Só nacionais)”

Sobre o Amor

Namore alguém que… – (Sobre as coisas que realmente importam)

Às vezes a gente passa tanto tempo solteiro, tanto tempo sem estar com alguém do lado e tanto tempo desejando ter uma pessoal especial com a gente pra chamar de “meu amor”, que chega uma hora que a gente se perde entre medos e desejos. O desejo de amar de novo, de namorar, e o medo de se decepcionar outra vez.

Isso me faz lembrar mais uma vez do gato de Schrödinger e até eterna dúvida de abrir ou não a caixa. Seguindo o meu próprio conselho de posts atrás, eu resolvi abrir a caixa há pouco mais de um mês e hoje sei que foi a melhor coisa que eu poderia ter feito.

A gente às vezes idealiza tanta coisa, deseja tanta coisa… E a gente às vezes se desespera, fica na merda e já nem sabe mais o que esperar. Talvez eu mesma já não soubesse o que eu estava procurando, mas agora que eu encontrei eu sei.

Há coisas que são bobagens, eu mesma já disse aqui algumas vezes, como se importar com aparência física ou esperar encontrar alguém que goste exatamente de tudo que você também gosta e na mesma proporção. Mas… há coisas que importam e muito quando o assunto é namorar.

Namore alguém que te trate com respeito, que te ouça com atenção, que goste de conversar com você.

Namore alguém que seja seu amigo, que te faça rir, que goste de ver sorrir e que saiba te arrancar sorrisos inesperados.

Namore alguém em quem você confie ao ponto de contar coisas que ninguém mais sabe, alguém que também se abra com você sem você nem precisar pedir.

Namore alguém que seja carinhoso da mesma forma que você é, com ou sem excessos, da forma que faz sentir acolhido.

Namore alguém que não precise de dinheiro pra se divertir.

Namore alguém que apoie os seus projetos, que sonhe os seus sonhos junto com você.

Namore alguém que você saiba dizer só de olhar se está bem ou se ‘tá sofrendo’, alguém que não pretenda te esconder nada e que sempre converse sobre tudo com você (até sobre os assuntos mais bizarros).

Namore alguém que dê valor ao seu cuidado e que seja cuidadoso com você também. Cuidadoso ao ponto de te pedir desculpas mesmo sem entender bem o porquê só pra você não ficar triste.

Namore alguém que não ache sacrifício vir te ver, que saiba que quando a gente ama tudo fica doce e mais suave.

Se você tem alguma pretensão além dessas no namoro, eu te digo que é bobagem. E se você acha que é impossível encontrar uma pessoa assim, eu te digo que eu também achava. Mas quando você encontrar a pessoa certa, vai ver que tudo isso aparece naturalmente, vai sorrir todo dia sem saber direito a quem agradecer… Sorte, Destino, Deus, Teoria do Caos, Mãe Natureza… Aí você é que escolhe. Eu prefiro agradecer a Vida mesmo, sempre tão surpreendente e tão cheia de razão.

_______________

Para o meu amor, com todo o amor.

____________________________________________________

Leia também

A pessoa certa

O que é namorar?

Sobre Ser Você

25 coisas pra fazer antes do 25

A contar de hoje, faltam exatamente 365 dias para o meu aniversário de 25 anos que é sem dúvida uma data importante para quem gosta de números redondos. Eu não gosto de números em geral, mas resolvi fazer aqui uma listinha com 25 coisas que eu acho extremamente maneiras, que eu inclusive já gostaria de ter feito, e que queria tentar fazer ao longo desse 1 ano que eu tenho antes de completar 1/4 de século pisando nesta terra.

Espero que também seja um incentivo para aqueles que ainda vão fazer 25 anos, seja lá quando, e que desejam fazer algumas dessas coisinhas aqui! Vamos à lista! \o/

1 – Andar de moto

2 – Me jogar do palco em um show de Rock

3 – Doar Sangue

4 – Ajudar um velhinho a atravessar a rua

5 – Publicar um livro M-E-U

6 – Conhecer Curitiba

7 – Ler todos os romances de Machado de Assis

8 – Participar de um programa de rádio ( de preferência “A hora dos perdidos”)

9 – Participar de um Flashmob

10 – Fazer figuração em uma novela de época

11 – Fazer uma tatuagem

12 – Aprender a dirigir

13 – Assistir direto a trilogia de “O poderoso chefão”

14 – Aprender a tocar uma música inteira no violão

15 – Fazer uma horta

16 – Pintar o cabelo de azul

17 – Participar do desfile de uma escola de samba

18 – Tirar uma foto imitando a clássica da “Abbey Road”

19 – Assistir o musical de O Rei Leão

20 – Acampar

21 – Participar da platéia em um programa de auditório

22 – Ir a um velório por dia durante uma semana seguida

23 – Fazer um vídeo epicamente engraçado (sem planejar), postar no YouTube e receber milhões de acessos

24 – Fazer uma trilha em grupo

25 – Conhecer o John Mayer

Filmes e Séries, Sobre a Vida

Alegria sim, tristeza também

Eu precisava tirar um tempinho pra escrever sobre o quanto eu achei fantástico o novo filme da Disney-Pixar “Divertidamente”. Esperei um pouco pra vir escrever a respeito pra não ser acusada (injustamente) de dar spoiler, mas mesmo assim vou tentar não falar sobre a história do filme e muito menos sobre o final pra não tirar a graça pra quem ainda vai assistir ao filme. Quero falar das coisas que eu pensei ao assisti-lo. Vamos ver o que eu consigo fazer.

O que eu mais achei incrível nesse filme que tem como proposta mostrar de forma leve e bem humorada (sem ser infantil) como funciona a nossa mente, é que ele conseguiu mostrar a importância até das emoções que são de certa forma recusadas por nós. A tristeza é um exemplo delas.

Assistindo esse filme eu me lembrei de muitas coisas que ouvi da minha terapeuta no período em que estive fazendo acompanhamento psicológico. Muitos sentimentos que nós temos como a insegurança, o medo, a tristeza, a raiva e tanto outros que são considerados negativos, na verdade são de fundamental importância na vida de cada um de nós. Eu me lembrei inclusive de um trecho de “Heart of Life”, do John Mayer, em que ele fala Fear is a friend that is missunderstood (o medo é um amigo que é incompreendido). E essa é uma grande verdade.

Se a gente não sentisse medo nunca é provável que não duraríamos muito nessa terra. Eu não sei afirmar com precisão, mas creio que até certa fase da nossa existência a gente realmente não sente medo, e é por isso que nossos pais precisam nos vigiar constantemente durante ela. Caso contrário a gente iria se jogar do berço mesmo, do carrinho de bebê em movimento, colocar o dedo na tomada e por aí vai.

Pense em quanta coisa o medo já te livrou! Com certeza ele já te fez escolher fazer um caminho maior pra não passar por uma rua perigosa ou deixar de comer algo vencido. Se a gente não deixar que o medo seja algo que nos paralise, ele pode se tornar um grande aliado pra tirar a gente de muita cilada! Ele pode até nos impulsionar, na verdade. O medo de não conseguir um bom trabalho, por exemplo, pode impulsionar alguém a estudar mais e ser mais dedicado. O mesmo também pode acontecer no caso da insegurança e até mesmo da raiva, que pode ser o sentimento que faltava pra te fazer falar tudo que sempre quis pra alguém que sempre te fez sentir mal. Às vezes isso é muito necessário!!!

Mas falar sobre tristeza ainda é meio tabu. Sempre tem aquela coisa de “nada de tristeza, vamos sorrir!”. Isso na verdade sempre foi uma coisa que me incomodou na maioria das pessoas com quem eu parava pra falar das minhas tristezas ao longo da vida. Eu tenho sim um lado que é mais chegado pra tristeza, um lado de querer ficar sozinho de vez em quando, de querer ver filme triste só pra chorar mesmo e gosta de ouvir música triste de propósito pra chorar muito também. E o que falar da poesia? Comecei a me interessar por causa da Cecília Meireles que escrevia uma poesia mais triste que a outra.

A verdade é que a tristeza tem sim o seu lugar! A gente precisa ficar triste mesmo de vez em quando, até pra valorizar os momentos felizes que já tivemos na vida. Temos que chorar quando a gente sentir vontade de chorar, quando sentir falta de alguém que já morreu, quando a gente se sentir sozinho no mundo e coisas desse tipo. Estou totalmente de acordo com o John Green nesse lance de que “A dor precisa ser sentida”. Precisa mesmo! E além do mais, seria impossível viver só sorrindo, porque a vida nos traz muitas surpresas nada agradáveis. É muita coisa que não sai do jeito que a gente quer e daí a gente fica triste mesmo.

O que precisa acontecer é a gente saber achar um meio-termo pra tudo aquilo que a gente estiver sentindo. Não se deixar dominar pela tristeza a ponto de só viver reclamando ou chorando e não ter ânimo pra fazer mais nada e nem se deixar dominar também pela alegria pra sair por aí dizendo e fazendo um monte de coisas idiotas sem pensar direito, como por exemplo gastar o dinheiro que a gente tem. (Acontece muito de a gente querer sair pra comemorar sei lá o quê, passar tudo no cartão e ficar na merda no mês seguinte).

Como eu já disse em um texto anterior, de tudo que nos acontece se tira proveito. Das minhas tristezas, com ou sem motivo, eu já tirei muita poesia bonita, muito aprendizado e muita força pra mudar o que eu precisava mudar na minha vida. Que a gente sempre saiba o lugarzinho de tudo dentro da nossa cabeça, e que a gente saiba usar cada sorriso e cada lágrima para o nosso próprio bem e para o bem de quem está do nosso lado.

 _____________

Leia também Teoria do Caos

Poesia

Poema sem rima

Que rima fazer para os teus olhos?
De tão verdes que são e tão brandos,
Sentem inveja os mares mundo a fora.

As maçãs do rosto vibram vermelhas
A euforia que é do corpo todo. Mas…
O que será que rima com isso?

A única coisa que eu sei é que
Ainda não aprendi a fazer versos
Pra falar de coisas que não são desse mundo.

(Só queria dizer que gosto dos teus olhos e das tuas bochechas.)

– Para o meu amor, com todo o amor.
Thaís Bartolomeu – 2015

Filmes e Séries, Sobre a Vida, Sobre Ser Você

Crescer

Quem é nunca na vida
Se olhou no espelho
E quis saber
Como foi que ficou assim.
.
Com essa cara,
Com esses medos,
Com essa altura,
Com esse olhar.
.
Crescer parece algo alheio
Porque a gente cresce sem ver.
A gente não sente o corpo aumentar
E nem a nossa voz mudar.
.
Mas tudo muda e muito muda.
Mudam-se os gostos
Mudam-se os motivos
Mudam-se as vontades.
.
E se tem algo que permanece
Talvez seja o espírito.
Ainda rimos das mesmas coisas
E ainda nos magoamos igual.
.
Crescer é de dentro pra fora
E de fora pra dentro.
E no fundo nem sabemos
O quê muda mais o quê.
.
A roupa favorita já não cabe…
Quantas perdas ao crescer!
Mas vale sempre lembrar que
Crescer significa estar vivendo!
.
O tempo e a memória andam juntos
Fazendo a gente lembrar
Que tudo passa
E a gente também vai passar.
.
Estamos passando
Sem perceber
Desbravando a vida
Sem se dar conta.
.
Crendo
Sendo
Sentindo
Crescendo.

Filmes e Séries, Sobre Ser Você

O que você tem feito com as suas mãos?

Nós não somos os piores
Nem os menos sábios,
Menos habilidosos,
Menos capacitados.
.
Cada um sabe a seu modo
Mostrar ao mundo a que veio.
Uns cantam, uns escrevem,
Uns emprestam o ombro.
.
Não queira ter
As mãos que são de outrem.
As suas são as que melhor
Servem pra mostrar o que sente.
.
Pode ser que às vezes pareça
Que a gente não serve pra nada,
Ou que não somos tão bons
Quanto o fulano que faz tanta coisa.
.
Eu não faço muito
Além de escrever,
Mas me basta poder
Fluir com as palavras.
.
Minha irmã joga vôlei
e sabe cozinhar,
Minha avó sabe crochê
e sabe aconselhar.
.
O que você tem feito
Com as suas mãos?
O que você tem feito
Além de reclamar?

Sobre a Vida

Teoria do Caos

Pode ser que demore um pouco
Até a gente se dar conta
De que tudo é e foi
Exatamente como tinha que ser.
.
Cada queda foi pra cê saber
Que a gravidade tá aí pra isso,
Mas ficar no chão é escolha
Assim como levantar também é.
.
Pode ser que a gente ainda chore
Chore muito e reclame muito
E entenda pouco ou quase nada
Dos porquês da vida.
.
Mas o Vinícius disse,
E no Vinícius eu acredito,
Que ela tem sempre razão.
A vida é sábia, sabe o que faz.
.
Nós é que não sabemos nada.
Viver é completar o roteiro
Que o destino nos dá
Logo assim que a gente chega.
.
Viver é não poder escolher
O pai, a mãe, o nome,
O bairro, a escola, os amores.
Viver é escolher como lidar.
.
E se tudo é mesmo
Bem do jeito como tem que ser
Eu escolho é chorar pouco
E aprender com tudo.
.
Se a gente quiser com vontade
Dá pra tirar proveito
De falta de luz, pouco dinheiro,
Pé na bunda e arroz queimado.
.
E chega uma hora que a gente
Entende pelo menos alguns porquês:
Porque não deu certo,
Porque o ônibus não parou pra mim.
.
Se assim foi, assim havia de ser.
Viver é escolher o como
No que não dá pra escolher porquê.
Viver é só ir vivendo
(mesmo sem entender)